Minha foto
Maceió, Alagoas, Brazil
Bancário, Escritor, Poeta, Administrador com MBA em Negócios em Financeiros, Pós-Graduado em Gestão de Instituições do Ensino Superior, Especializado em Diálogo, Capacitação SindRádio em Rádio-TV.e Militante do PCdoB.

Estudantes ocupam as ruas do Centro de Maceió

 Milhares de estudantes em manifestação contra o governo tucano.
Manifestação Maceió 
Na manhã desta sexta-feira (27/05), milhares de estudantes ocuparam o Centro de Maceió. Em passeata, faziam ressoar os gritos de FORA TÉO. Foi uma manifestação pacífica, com a presença de várias entidades estudantis.

O ato teve participação maciça de estudantes, visto que os sindicatos dos servidores públicos estaduais optaram por convocar um Ato do Movimento Unificado de todas as categorias para a próxima quarta-feira, dia 1º/06. O ato, inicialmente convocado espontaneamente por e-mails e através das redes sociais, foi liderado pelas várias entidades estudantis presentes.

Embora os sindicatos do funcionalismo não tenham participado do ato, muitos servidores estaduais, inclusive aposentados, estiveram presentes para manifestar sua insatisfação com o governo estadual.

Segundo a Diretora da União Nacional dos Estudantes (UNE), Claudia Petuba, “Nós estudantes resolvemos sair às ruas hoje e aproveitamos para fazer um chamamento a toda a sociedade para participar do novo ato na semana que vem. A luta é dos estudantes, dos trabalhadores, de todo o povo alagoano. Ninguém suporta mais os desmando desse governo”.

A manifestação se iniciou na Praça dos Martírios, com a concentração na porta do Palácio República dos Palmares, percorreu várias ruas do Centro de Maceió, passou em frente ao Tribunal de Justiça, à Assembleia Legislativa e finalizou-se em frente ao Palácio de Cristal, sede do governo estadual. O reforço policial foi chamado, apesar de a manifestação ter caráter pacífico. A cavalaria e o Bope acompanharam toda a manifestação.

Os estudantes vieram de várias escolas e universidades, todos revoltados especialmente com o tratamento do governo estadual com a educação. A estudante da UNEAL Welingta Carla denunciou “A UNEAL hoje funciona com 40% do seu orçamento. É Universidade só no nome, porque está funcionando em situação de verdadeira precariedade em todos os setores. Esse governador está destruindo nossa Universidade!”. Para o Secretário Geral do DCE da UFAL, Hugo Cavalcante, “o caso é grave, pois Alagoas possui os piores índices de educação, violência, saúde, distribuição de renda. Os alagoanos não merecem isso, temos que ir às ruas!”.
Com as caras pintadas com as cores da bandeira de Alagoas, os estudantes mostraram que estão atentos à situação política do estado. Para o diretor da UBES, João Carlos, “A juventude não é alienada, esta manifestação aqui mostra isso. Somos solidários à luta dos trabalhadores por melhorias salariais e também temos as nossas reivindicações”.

Em frente ao Palácio, a polícia cercou os estudantes, tentando dispersar o ato. O Presidente estadual da UJS, Naldo Freitas, denuncia: “Esse é o tipo de ‘diálogo’ que o governador tem com a população, através da polícia e da violência. Mas na quarta-feira estaremos aqui novamente, a insatisfação é muito grande e vamos mostrar isso nas ruas!”.
Fonte:  http://www.vermelho.org.br/al/noticia.php?id_noticia=155200&id_secao=46

III Encontro Norte/Nordeste - Trabalho, Educação e Formação Humana




INSCRIÇÕES (www.enntefh.com.br)

O III Encontro Norte/Nordeste Trabalho, Educação e Formação Humana receberá inscrições de trabalhos para apresentação em sessões de comunicação, resultantes de estudos e pesquisas concluídas ou em desenvolvimento. Só poderão ser inscritos trabalhos fundamentados no marxismo, devendo contemplar os eixos temáticos colocados pelo evento. Não será limitada a quantidade de trabalhos inscritos por autor.

Datas para inscrições
Inscrições de participantes que apresentarão trabalhos: 04/4/2011 a 15/6/2011
Inscrições de participantes que não apresentarão trabalho:até a data do encontro.
Inscrições de participantes ouvintes com reserva de alojamento: até 15/6/2011

Valor da Inscrição no Evento
CATEGORIA
(R$)
Professores e outros profissionais
30,00
Alunos de Pós-graduação
20,00
Alunos de graduação
10,00

ALOJAMENTO GRATUITO
O evento contará com alojamento gratuito prioritariamente para estudantes oriundos de outras cidades. As vagas não preenchidas poderão ser destinadas para professores e profissionais inscritos.

Observação: Existem 120 vagas para o alojamento, após o preenchimento dessas vagas, não serão ofertadas outras. Portanto, inscrevam-se o mais rápido possível.
 
LOCAL DO EVENTO: Campus A. C. Simões/UFAL/Maceió/AL

Socialismo e Comunismo: existem diferenças?

Reproduzimos texto encontrado no site abaixo:
www.mundoeducacao.com.br/geografia/socialismo-comunismo-existem-diferencas.htm


A principal diferença entre o socialismo e o comunismo é a existência do Estado.
Desde o surgimento do comunismo, ideologia criada após a Revolução Russa, as palavras “socialismo” e “comunismo” passaram a ser usadas como sinônimos por todo o século XX. Na verdade, embora ambas as teorias caminhem para o mesmo objetivo, existem certas diferenças conceituais entre as duas palavras. Em síntese, podemos dizer que o socialismo é uma etapa de transição do capitalismo para o comunismo.

Socialismo é um conjunto de doutrinas que tem por fim a socialização dos meios de produção. Partindo do pressuposto de que os problemas sociais derivam das desigualdades entre os indivíduos, o sistema visa à extinção da propriedade privada. O governo investiria no cidadão desde seu nascimento, no entanto, ficaria como se fosse o “dono” daquele indivíduo, sendo o mesmo, obrigado a seguir regras rígidas e a trabalhar para todos na medida de suas possibilidades.

Nesse sentido, ainda existe a necessidade de existência do Estado para coordenar a socialização dos meios de produção e defender os interesses dos trabalhadores contra a volta do sistema capitalista.

Comunismo é um sistema de governo onde não existem classes sociais, propriedade privada, e o mais importante, não existe a figura do Estado; essa é a diferença. Em outras palavras, o socialismo é uma etapa de transição anterior ao comunismo que visa o desaparecimento do capitalismo. No comunismo, não há a necessidade de existência de um Estado em virtude do fato de que todas as decisões políticas são tomadas pela democracia operária.

Ao contrário do que muitos pensam, a etapa do comunismo nunca foi atingida por nenhum país, uma vez que não houve nenhuma sociedade onde se registrou a ausência de um Estado.

Em resumo quem foi Lênin, quais eram seus ideais e quais as ligações com a Revolução Russa?

Reproduzimos pesquisa encontrada no site abaixo:
http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20090509102528AAtM2Rt

Nascido em 1870 em Simbersk, no médio Volga, Vladimir Ilie Ulianov (dito Lênin) foi o terceiro de seis filhos. Em 1887, seu irmão maior Aleksandr, em um grupo de estudantes niilistas, participou de atentado contra o Tzar. Descoberto, foi preso e executado . Esse trágico acontecimento deixou enorme impressão sobre o jovem Lênin, que se convenceu de que o caminho anarquista não era praticável para abater o tzarismo.

Depois de formado, Lênnin passou a estudar os problemas econômicos da Rússia e passou a ler as obras de Marx e Engels. Convencido da justeza de suas idéias, passou a combater os populistas e, depois de breve estada na Suíça (1895) onde contatou com alguns exilados, entre os quais Plekanov, voltou para a Rússia, com a intenção de dar vida ao Partido Social Democrata Rússio. Entretanto, foi preso e deportado para a Sibélia, onde ficou três anos.

Em 1909, Lênnin consegue sair do país, ficando durante cinco anos na Europa Ocidental. Em 1903 o Partido Social Democrata Rússo realizaou um congresso em Bruxela e a corrente de Lênnin conseguiu se impor, ainda que por pequena margem. Desde então, essa corrente passou a ser chamada Bolchevique (Bolche em Russo significa "de mais"), ao passo que o grupo adversário passou a ser chamado de Menchevique (Menche significa "de menos").

A falência da Revolução de 1905 obrigou Lênnin a fugir novamente da Rússia. Mas em 1917 foi protagonista da Revolução de Outubro. Eleito presidente do conselho dos comissários do povo, levou a fundo a sua batalha contra todos os adversários da Revolução, embora em certo momento tenha sido obrigado a reintroduzir os mecânismos da econômia de mercado ( A NEP, Nova Política Econômica). Caindo doente em 1922, morreu em 21 de Janeiro de 1924.

Lembremos de Lêni - Portal Vermelho

Reproduzimos artigo de Leandro Alves publicado no Portal Vermelho
 

Vladimir Ilyich Ulyanov (Lênin) nasceu no dia 22 de Abril de 1870. Data de importância indiscutível para todos os que se dedicam à construção do Socialismo. Falar de Lênin não representa falar apenas de um líder restrito ao passado russo, representa falar do futuro da luta pelo socialismo. O principal dirigente da Revolução Russa deixou forte marca em seu povo, pois ainda hoje é saudado como um dos principais líderes daquele país. Lênin também deixou um legado para o mundo todo e esse legado deve ser resgatado cotidianamente por todos que lutam pela edificação do Socialismo.

Espírito antidogmático
Lênin soube aplicar os princípios da teoria marxista à realidade Russa. Sua contribuição para a edificação de uma teoria acerca do partido de novo tipo é, até hoje, uma referencia para quem deseja ajudar na construção do instrumento de transformação política e social. Sua concepção de partido de quadros se baseava numa realidade restrita, sem espaço para a atuação política. Entretanto, sempre dissera que suas ideias acerca da forma organizativa dos comunistas era para a Rússia, não tinha caráter universal, tanto que quando a realidade assim exigiu, foi um dos primeiros a defender a mudança na forma organizativa partidária.
O líder Comunista buscou conhecer as características do capitalismo na Rússia para construir os caminhos para as transformações de acordo com a realidade daquele país. Lênin nutria um espírito crítico e antidogmático, entendia o marxismo como uma teoria viva, defendia que os comunistas deveriam aplicar os princípios do marxismo à realidade de cada país, sem dogmatismos, nem tampouco cópia de modelos.

O combatente
Lênin foi implacável no combate ao oportunismo no seio do partido, fosse de esquerda ou de direita. Soube entender as mais diversas formas de contradições existentes numa sociedade capitalista. Diferenciando o espontaneismo no trabalho partidário da espontaneidade das classes exploradas. Destacou a importância do elemento espontâneo como embrião do elemento consciente, mostrando o potencial da união dialética entre a luta específica e a geral para a elevação da consciência da classe operária. Entretanto, soube também, combater o trabalho espontâneo no partido, defendendo que o partido deveria ser o espírito que “pairasse acima” do movimento espontâneo, não sendo um mero caudatário dos acontecimentos cotidianos.
Travou intenso debate com os setores esquerdistas do partido. Defendeu que os comunistas atuassem em todos os espaços de luta, nos parlamentos, nos sindicatos, associações, mesmo aqueles que não tivesses uma posição avançada, pois o papel dos comunistas era precisamente elevar o nível de consciência dos trabalhadores. Dessa forma, os comunistas não deveriam se abster de atuarem nos espaços mais atrasados, ao contrário, para ele os comunistas deveriam atuar de forma revolucionária fazendo a diferença na atuação política nesses espaços
.
Atualidade do pensamento de Lênin
Desde a queda do bloco socialista, a luta política ficou mais complexa para os que defendem o Socialismo. Não cabendo simplificações políticas nem teóricas, ainda mais num país como o Brasil, onde nosso processo de transformação social é lento e contraditório. A necessidade de um Partido Comunista em consonância com o nosso tempo é de vital importância para o rumo da nossa Nação. Nesse sentido cuidar do partido é um exemplo a ser seguido por todos na atualidade, para tanto devemos ficar atentos aos rumos do partido, pois um Partido Comunista autônomo política e ideologicamente é conditio sine qua non para o futuro da luta Socialista. O “canto da sereia” capitalista é forte e pode desnortear toda organização política que atua de forma efetiva na realidade, por isso precisamos de firmeza ideológica para não perder o rumo, nesse sentido Lênin nos deu um grande exemplo.
Por tudo isso, e muito mais, falar de Lênin é falar de espírito crítico e antidogmático, é falar de dedicação e respeito ao coletivo partidário, é falar de desenvolvimento do marxismo, é falar de combate ao oportunismo e aos adeptos de “cainhos fáceis” para a luta Socialista. Dessa forma todos nós, homens e mulheres comprometidos com um futuro Socialista, devemos lembrar de Lênin como um referencial a ser seguido. 

Fonte: http://www.vermelho.org.br/coluna.php?id_coluna_texto=3974&id_coluna=84

Autor:
* Leandro Alves é Servidor do Poder Judiciário Gaúcho, ex-assessor Sindical, ex-assessor Parlamentar.
  E-mail: leandroalvesrs@hotmail.com

Comentários

O que é mais importante... 04/05/2011 16h26
Falar bem de Lenin,é chover no molhado,agora praticar suas lições,isso é outra história.Lenin nunca foi só um teorico,punha em prática suas teorias, com todos os riscos inerentes,e teve exito em quase todas aplicações práticas. Eloy Antonio da Mota Guarujá - SP

viva! 01/05/2011 1h12
Muito bom. Grande leitura, Lênin! Qto às publicações do PCdoB, me pograma pra ler 2 livros da editora AnitaGaribaldi: um com série de debates sobre o capitalismo contempoâneo e a luta pelo socialismo e outro sobre globalização e capitalismo idem. Penso que servem ao que o comentarista abaixo uer. Mas há um monte de livros. Manoel Natal - RN

LÊNIN II 28/04/2011 11h53
Por último, mas não menos importante, Lênin, em que pesasse as condições da autocracia russa, recomendava a participação no Parlamento (havia até a fração bolchevique na Duma)embora alertasse de que "a via parlamentar também não devia ser evitada, embora não fosse a mais importante, a qual seria "a organização do Partido, primordialmente as células", e várias outras vezes discorresse sarcasticamente sobre o carreirismo, o oportunismo e, por quê não, o cretinismo parlamentar. Quanto a qualquer ilusão baseada apenas na luta parlamentar eleitoral, basta dar uma olhada em O Estado e a revolução. iveo soares jr. rio d janeiro - RJ

Lênin 28/04/2011 11h45
Agora me pergunto: a cada nova crise do capitalismo, Lênin pesquisava, buscava dados, fazia ilações, deduzia e publicava; aí estão: O desenvolvimento do capitalismo na Rússia, O imperialismo, fase superior...e tantas obras primas. Achei que no artigo faltou acrescentar a importante descoberta dele no tocante ao elo mais frágil da cadeia (a revolução não ocorrerá na Inglaterra evoluida, etc, etc, mas, se numa corrente é o elo mais fraco o que primeiro se rompe, então será na Rússia, etc, etc. Em cima disso, minha sugestão é: só em relação à crise de 2008/2009 Wall Street patrocinou (e premiou vários, inclusive) a publicação de, no mínimo, 12 livros! E o Partido, que seria leninista, com tantos economistas, jornalistas, analistas, que obra apresentou não digo desde esses anos, mas há mais de 10 anos? Fidel, nesse caso, me parece muito mais ativo. Fica a sugestão e um abraço iveo iveo soares jr. rio de janeiro - RJ

Parabéns 28/04/2011 9h02
Parabéns, É isso ai ! Para frente, estimulando o desenvolvimento e as potencialidades humanas e políticas, sem perder o foco. Com uma visão sistêmica do passado, proporcionando uma leitura atualizada e adaptada para nossa gerção e realidade! Rodrigo Burgos Porto Alegre - RS