Minha foto
Maceió, Alagoas, Brazil
Bancário, Escritor, Poeta, Administrador com MBA em Negócios em Financeiros, Pós-Graduado em Gestão de Instituições do Ensino Superior, Especializado em Diálogo, Capacitação SindRádio em Rádio-TV.e Militante do PCdoB.

Estudantes param a Fernandes Lima em Maceió - Mobilização reuniu estudantes e sindicalistas - "Educação tem que ser 10"

 

Estudantes se manifestam em defesa da educação, integrados à Jornada Nacional de Lutas.
Na manhã desta quarta-feira, 23/03, estudantes liderados pela UNE e pela UBES realizaram um grande ato no bairro do Farol em Maceió, em frente ao complexo educacional CEPA, na avenida Fernandes Lima, como parte da Jornada Nacional de Lutas das entidades estudantis. Com o tema “Educação tem que ser 10”, as principais bandeiras eram as de financiamento para a educação, estruturação das escolas e valorização dos professores e técnicos. A manifestação se concentrou na porta do CEPA, maior complexo educacional da América Latina e chegou a fechar a Fernandes Lima, principal avenida de Maceió. Os estudantes agitaram suas bandeiras e cartazes, para mostrar sua indignação perante a situação da educação no estado de Alagoas.
O Diretor da UBES Lindinaldo Freitas denuncia “Alagoas possui os piores índices de educação e analfabetismo do Brasil. A estrutura é muito precária, sendo que algumas escolas já se tornaram pontos de venda e consumo de drogas. A falta de segurança, de professores e de manutenção torna o ambiente escolar em Alagoas totalmente inadequado para o aprendizado”.
A diretora da UNE Claudia Petuba acredita que esta já é uma vitoriosa Jornada de Lutas “Por todo o país os estudantes estão saindo às ruas para mostrar que não estão satisfeitos com a situação da educação no Brasil e que exigem mais investimentos. Queremos que 50% do Fundo Social do Pré-Sal se destine à educação, assim como 10% do PIB brasileiro”. "Queremos ainda a aprovação do novo Plano Nacional de Educação (PNE) que deve oficializar as metas da educação para o decênio 2011-2020", disse Petuba.
A precária situação do ensino público em Alagoas também foi alvo das críticas dos estudantes. "Durante oito anos, o Governo Federal triplicou os investimentos em educação, mas Alagoas parece que anda na contramão. Ao invés de crescer, retrocede. As escolas sucateadas, concursos públicos não são realizados e professores com baixos salários. Precisa-se de escolas estruturadas, espaços para lazer e cultura. Com isso, afastaria a possibilidade dos estudantes ingressarem no mundo das drogas", afirmou Cláudia Petuba.

Vários representantes de Grêmios também participaram da mobilização, como os Grêmios do Gilvania Ataíde, do Benicio Dantas, Moreira e Silva, Correia Titara, Costa Rêgo (Arapiraca), Théo Brandão, Manoel Gentil e Josefa Costa (Satuba). O presidente do Grêmio do IFAL Maceió, Afrânio Vyctor também reivindicou melhorias para o Instituto Federal, segundo ele, “O instituto passa por um momento de expansão e os investimentos devem acompanhar esse crescimento. O corte de gastos não pode penalizar a educação, em Maceió, por exemplo, temos defasagem de cerca de 36 professores”.
Estudantes da UFAL e da UNEAL também apresentaram suas reivindicações. O Secretário Geral do DCE da UFAL Hugo Cavalcante informou que os estudantes da UFAL também estão mobilizados. “O Governo Federal tomou a iniciativa de expandir a Universidade, porém em muitos cursos a estrutura prometida ainda não foi realizada. No campus Sertão as aulas funcionam numa escola estadual, sem estrutura nenhuma. Lá o ano de 2011 sequer começou. Em Viçosa e Arapiraca também não é diferente, exigimos mais atenção e investimentos!”.
Segundo o estudante da UNEAL Rafael Cardoso “O Governador esqueceu da UNEAL. Estamos abandonados, sem verba nem condições de estudo. O quadro de professores é insuficiente, sem falar na estrutura precária da instituição”.
A manifestação contou ainda com a participação e apoio das centrais sindicais, CTB e CUT, e de vários Sindicatos de trabalhadores ligados à educação e de servidores  públicos - SINTEP, SINTEAL, ADUFAL, SINTUFAL e SINDPREV.

 Fonte:  Selma Villela com base no texto de João Carlos Cyrilo, Diretor de Assuntos Externos do Grêmio Edson Luis (IFAL-Maceió).

Nenhum comentário: